domingo, 11 de setembro de 2016

Monotonia inquieta



Já faz um bom tempo que não sei expressar esta inquietude. Ando perdida quanto ao meu gosto musical. Poucos livros têm prendido minha atenção. Não sei sobre o que escrever. Está faltando algo aqui dentro, mas não sei dizer o que é. Apenas, sei que roubou minha inspiração.

Até mesmo aqueles programas TV que tanto me agradavam perderam a graça. Tenho me forçado a tentar assisti-los, mas na realidade só quero desligar tudo. Não há muito sobre o que refletir. Então, apenas me resta a monotonia inquieta do dia.

Não sei bem pelo o que espero, mas sei que meu subconsciente está sempre esperando por algo. Sempre ansiosa para chegar a algum lugar, e, ao chegar fico ansiosa para sair. Não faz sentido. Gostaria de compreender para no mínimo poder poetizar a situação.

É como viver em um eterno domingo, onde nada acontece e há apenas a mesma programação chata da TV aberta. Não importa o quão azulado esteja o céu, ainda é domingo e não há o que se fazer, além de saber que no dia seguinte a correria irá voltar. Ou como estar presa em um filme francês que nunca acaba.


Acho que no fim, a monotonia inquieta é o resta entre os altos e baixos da vida. É aquela linha reta. Naquelas máquinas que verificam o batimento cardíaco, quando resta apenas essa, significa que você está morto. 
Blog Widget by LinkWithin
Comentários
7 Comentários

7 comentários:


  1. Oi Ágata. Que texto interessante, penso que nós, seres humanos sempre buscamos algo inovador em nossas vidas. Muitas vezes eu já me senti assim, meio perdido, sem saber o que queria. Mas depois de algum tempo passou. Eu diria que foi uma fase, onde praticamente nada me agradava. Ouvir músicas, assistir televisão, ver vídeos sem conteúdo na internet e outras coisas mais, porém certo dia esse vazio, misturado com um mal estar desconfortante passou, tão subitamente como aparecera. Acredito que esse lance tem muito haver com o estado de espírito da pessoa, enfim. Eu achei muito interessante o seu texto. E pra você um forte abraço!

    Marcas literárias
    leootaciano.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá. Engraçado que seeu texto se encaixou no que vive nós últimos dois meses. Eu me formei e fiquei inquieta... até conseguir por a cabeça no lugar, me organizar e voltar a fazer o que gosto de forma que me inovasse. É engraçado como temos fases né?

    bjs, Carol | Espilotríssimo
    http://carolespilotro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Agata
      Resolvi postar aqui junto ao comentário da Carol, porque o que vou digitar tem a mesma pegada.
      Depois de algum estudo (filosofia) e bastante vivencia de fato eu vi que a vida é basicamente fases, momentos que se alteram entre estar mais distante da morte, em estado de profunda e total alegria e momentos de tristeza, onde nossa potencia de agir se encontras mais baixa, na verdade essa ondulação é perfeitamente natural e faz parte da vida.
      Acho que cabe a nós apenas aproveitarmos os bons momentos e ir tocando.
      bjos LP
      quatroselos.blogspot.com

      Excluir
    2. É complicado mesmo, ainda mais quando acabamos algo que tomou certa fase da nossa vida.
      Muito obrigada pela atençãõ *0*

      Excluir
  3. É a fase mana, tem dias que me sinto assim também :*

    http://a-cacheada.blogspot.com.br/2016/10/desculpa-o-sumico-estava-vivendo.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *0*
      Brigadinha por passar aqui, saudade de ti *-*

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Screepeer - 2015. Todos os direitos reservados.
Design Por: Jordânia Queiroz.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo