terça-feira, 11 de agosto de 2015

Cenário de Amores Líquidos


Não me culpe por amar o cinema. Li um livro, um  dia desses, que falava sobre o quanto se busca a qualidade na ficção, pois na realidade, em sua maioria, a quantidade tomou o seu lugar. A quantidade quando ligada ao amor moderno, por exemplo, onde se busca cada vez menos no muito. Muitos amores, mas pouco duráveis. 
Somos consumistas. Consumistas de produtos. Consumistas de pessoas. Isso você pode levar para o lado que quiser. Um dia desses conversando com um amigo que havia acabado de levar um fora da namorada, no dia dos namorados, ele me disse: Estou bem cara! O que importa é a experiencia 
Não o julgo, afinal essa é a visão que mais se universaliza por aí. Ajuda a seguir em frente. A levantar e não ficar preso no que passou. Seguimos em frente diversas vezes. Experimentamos tantas opções que os relacionamentos são quase que semelhantes a roupas, necessitamos delas como regra geral e trocamos quando ficam velhas demais, enjoamos ou não combina tanto quanto achávamos. Mas, provamos. 
Outro dia, em uma roda de amigos, ouvi mais uma vez o que mais ando ouvindo: Nossa! Você nunca ficou com tal tipo de cara! Deveria!. São experiencias que vem e vão, que são trocadas em mesas de bar com risos e gargalhadas. No fundo, ainda se busca o algo a mais, mas em um caminho com diversas paradas. Como se fosse necessário uma espécie de graduação com estágio e supervisão, antes de encontrar o grande amor. 
Esse que pode ir e vir algumas vezes dependendo de como se quer classificar um relacionamento. Se pode descobrir que fulano não é o grande amor de fulana ou outro fulano, depois de 5, 10, 20, 50 anos, apesar de eu achar que se  chegou a tanto, significa muito. Não obstante, se não deu certo, se segue em frente e voltamos para estrada em busca de mais quantidade. 
Não irei ser hipócrita e gritar que não concordo com esse sistema. Afinal, quantas pessoas já ficaram e ainda ficam presas a relacionamentos que não gostariam de estar por pressão alheia ou de valores pessoais. Mas, sinceramente, ainda prefiro caminhos mais vazios por algo mais durável. A diferença é que são caminhos vazios para mim, não são os mesmo para você ou para quem está do seu lado. 
Gosto dos romances do cinema por ainda mostrar um pouco dos amores qualitativos. Amores duráveis e sinceros. Conquistados com o tempo e problemas superados. O amor água com açúcar das telonas. O amor que se luta até contra gravidade para se conquistar o almejado, tal como no filme Entre Mundos, entre outros. 
Mesmo que, quando pise no mundo real eu me torne apenas parte dos cenários de amores líquidos modernos como no livro de Bauman. Parte de uma realidade, onde se busca o máximo de complementos possíveis. Buscando o algo a mais nas telonas, pois a vida real se tornou líquida demais.
Blog Widget by LinkWithin
Comentários
20 Comentários

20 comentários:

  1. Caraca... Eu fico tão impressionada com textos como esse seu, que estão espalhados pela internet, com suas palavras que pensam e fazem pensar, e muitas vezes não recebem o merecido destaque.
    É verdade, sim, que mesmo para aqueles que querem, manter um relacionamento verdadeiro e duradouro, vem sendo uma luta enorme e que muitas vezes pode ser considerada impossível... Mas é necessário que mantenhamos a esperança! c:

    http://eujovemdemais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado *0*
      A esperança é a última que morre neh kkk
      Beijinhos Screepeer

      Excluir
  2. Olá Ágatha,

    Parabéns pelo belo texto, o amor é eterno e única, as vezes demora encontrarmos a pessoa que esperamos, mas não devemos ceder por as vezes esse que esperamos demorar para chegar, uma coisa é certa, se tivermos paciência a espera é compensadora.....bjs.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Chocada aqui, minha nossa, concordo com você completamente, adorei o texto!
    Beijinhos
    http://diariodeumaadolescente-oficial.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Acho que ainda não havia levantado essa questão a mim mesma e estou ficando presa nesse amor quantitativo, adoro a forma que tu escreve ! Beijos

    http://agarotasecreta14.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Onw, que texto lindo *.*
    Sou super a favor da qualidade ao invés da quantidade, quem precisa de muitos amores quando se teve um grande amor?
    Estava devendo uma visitinha no seu blog e adorei!
    Já estou seguindo :)

    Beijos,
    www.naestradadafantasia.com

    ResponderExcluir
  6. Que texto! Vou imprimir e colar na testa hahaha maravilhoso, penso exatamente igual. Sou bem manteiga derretida com filmes românticos e livros, por mais clichê que seja eu me deparo emocionada, mas muito por esse lado de que lá é tudo bonito, enquanto na vida real as coisas não funcionam assim. Acho engraçado essas pessoas que trocam de namorado de um dia pro outro. Será que os amam realmente? Um dia amaram? Será que ~sabem o que é amar? Ou aqueles que só querem ficar, então, jesus.. também não julgo quem faz, é a opinião de cada um, mas na minha visão, não vejo vantagem alguma. Parece que a cada década o amor vai se tornando um brinquedo e menos um sentimento profundo e verdadeiro.

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/2015/08/tag-frases-de-mae.html
    Tem tag nova no blog, vem conferir!

    ResponderExcluir
  7. Já pensou em escrever um livro? Sou apaixonada pelos seus textos, ultimamente ando sem tempo de vir aqui para ler, mas como sempre não me decepcionei, muito bom <3

    Beijos
    http://intoxicadosporlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi, Ágatha! Tudo bem? Como sempre, você nos presenteou com mais um texto incrível! Amo a tua escrita e os textos que você posta aqui no blog. Essa última frase ficou muito impactante, adorei! Parabéns! ^^

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi, Ágatha!
    Que texto ótimo! Você me deu mais um motivo para ler esse livro, já tem tempos que está na minha lista e eu estou enrolando. Parabéns!

    Beijo.
    livrosdawis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Uau. Lindo texto e muito bom para refletir. É aquele velho ditado não é? "enquanto não encontrar a pessoa certa, se divirta com as erradas". particularmente, não acho problema algum nisso. cada um sabe aquilo que faz - ou vai descobrir. Mas me incomoda um pouco as pessoas que amam toda semana uma pessoa nova, que juram amor eterno no primeiro beijo, que se entregam de alma a cada dia a uma nova pessoa. Isso eu acho prejudicial. Mas afinal, quem somos nós para acharmos algo não é mesmo?
    Beijoos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá! Você me impressionou com esse texto. Parabéns. Tua escrita é ótima.
    Beijos
    mundoemcartas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Bauman <3 Pensei nele logo quando li a primeira linha do texto e que reconfortante encontrá-lo no final. Tempos líquidos, modernidade líquida, amores líquidos. Bom saber que existe alguém, em outra roda de amigos, defendendo seus caminhos vazios.

    www.nemteconto.org

    ResponderExcluir
  13. Oi Agatha, lindo texto... e é bem isso mesmo. Ama-se tanto e tantas pessoas diferentes em um curto período de tempo que fico me perguntando, "Isso é mesmo amor?"
    Enfim, cada uma a sua maneira... e eu vou dar uma olhada no cinema e suspirar com um amor que parece ser ficcional.

    Bjs

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Mulher, que texto maravilhoso. Concordo com toda a atualidade abordada, mas nunca tinha parado pra pensar em como nos tornamos consumistas DE PESSOAS também.
    Aplaudo até a mão doer porque concordo demais.
    Ahazou ;*

    Faroeste Manolo
    Página Facebook

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Oi, Agatha!

    Menina, que texto lindo!
    Eu sou bem das antigas, sabe?! Eu não acredito em amores instantâneos, em trocar de namorado como quem troca de roupa, sobre esse "não consigo ficar sozinho" que muita gente fala...eu sou do tipo que constrói e conserta! Tenho um exemplo de relacionamento muito bonito, com altos e baixos, brigas, reconciliações, mas, acima de tudo, amor, companheirismo e amizade! Meus pais, que estão há quarenta anos juntos!
    Eu, por exemplo, comecei a namorar aos 23 anos! Eu nunca fui de ficar com vários, não acredito nisso, eu acredito em conexão, intimidade, confiança...e isso não se consegue de um dia para o outro!

    Parabéns pelo texto mais uma vez!

    Beijo
    - Tamires
    Blog Meu Epílogo | Instagram | Facebook

    ResponderExcluir
  17. Oi...

    Adorei o texto, Consumista de pessoas é a mais pura realidade. Toda experiencia é válida, umas para se recordar de forma saudosa e outra para colar os cacos e seguir em frente.

    Beijos!

    Cintia
    http://www.theniceage.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Screepeer - 2015. Todos os direitos reservados.
Design Por: Jordânia Queiroz.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo