sexta-feira, 3 de julho de 2015

Quase fim, não é o final!

Weheartit

Meu maior medo era não saber como seguir em frente, como lutar depois de te ver partir. Por vezes me vi tão perdida que não sabia para onde ir ou como recuar, a magoa em seu olhar me matava todos os dias e eu mal compreendia o por que. Fora você que pusera um ponto final em nossa história, e, ainda assim, parecia me odiar. 
Passávamos todos os dias um pelo um outro. Um sorriso frio, um olhar indiferente e um gelo forçado. Tentamos algumas vezes falar uma coisa ou outra, mas não havia o que dizer, pois mal compreendíamos como havíamos ido parar naquele estado.  
Recusei-me a falar sobre isso com qualquer de nossos amigos. Afinal, parece que sempre conhecemos frequentamos os mesmo lugares, isso que só fomos perceber após o fim daquele nosso conto de fadas. 
Nos conhecemos na fila do autógrafo de um roteirista famosíssimo do nosso filme favorito. Trocamos tantas informações e sorriso antes de sabermos nossos nomes que tiveram que me avisar quando chegou minha vez. Peguei o autógrafo e pensei em lhe dar um tchau e ponto, mas não quis, pelo contrário, te esperei e te chamei para andar pela cidade. 
Fora o melhor ano da minha vida. Você não poderia compreender o quanto amava estar ali vivendo o que mais ninguém a nossa volta podia entender, mas sorriam ao nos ver. Sempre tem alguém que volta para nos elogiar para me lembrar daquilo que não consigo fazer voltar. 
Estava saindo do restaurante do shopping com a minha melhor a amiga quando resolvemos dar uma volta no parque de diversões próximo dali. Estava respirando fundo e tentando me acostumar com a ideia de que o fim havia chegado, mas haveria novos começos, mesmo que, não estivesse comigo. 
Luzes. Músicas. Sorrisos. Conversas alheias. Minha amiga reclamando de sua família. Tudo o que ultimamente via e vivia mais do que gostaria. Não havia sentido naquele instante, mas havia me acostumado a só encontrar o lado bom ao olhar para atrás. 
- Ei, Nanda! - A voz de Pedro me vez dar um pulo. 
Pedro sempre fora o melhor amigo de Phillip, meu ex-namorado. Parei respirando fundo e torcendo para ele não estar junto e não estava. Sorri encarando o rapaz moreno de olhos verdes. 
- Quanto tempo! Queria te chamar para o meu aniversário, vai ser só uma festinha para os amigos mais íntimos lá em casa, amanhã.  
- Não sei se poderei... - Comecei. 
- Claro que iremos! - Se intrometeu Marcia, minha melhor amiga. 
Ela sempre fora afim de Pedro e as vezes fazia coisas meio sem noção como essa.  
- Pedro achei que iria me esperar próximo a barraca de pipoca! - A voz atrás de mim quase me fez desmaiar, quis abrir um buraco no chão, me jogar dentro, tampar e não sair mais. 
- Fala ae man... - Disse Pedro abrindo os braços, fingindo uma recepção. 
- É que vi as garotas e vim falar com elas. 
Não queria me mover ou olhar para atrás. Preferia ficar encarando Pedro com um sorriso estranho e fingindo estar me divertindo. 
- Já que estamos todos aqui, vamos aproveitar para nos divertirmos juntos! - Disse Marcia e eu quis chorar. 
- Ótima ideia! - Disse Pedro passando o braço pelo ombro de Marcie. 
Respirei fundo olhando para Phillip. Ele deu um meio sorriso e olhou para o outro lado, parecia tão confortável quanto eu. Pensei em arranjar uma desculpa e ir embora, mas estava dirigindo e Marcia faria um escândalo se a deixasse a pé, não que a minha vontade não fosse essa. 
Marcia e Pedro não calavam a boca, o que era bom, pois tirava o clima pesado que estava entre eu e Phillip. Eles resolveram ir em vários brinquedos, coisa que deixou tudo mais estranho ainda, pois ficava eu e Phillip revezando quem ia junto, só para não ficarmos sozinhos. 
O que temíamos? Me perguntei. Se já havíamos terminado não tinha problema algum. Resolvi parar de ir em qualquer brinquedo, sempre odiara parque de diversões e sabia que ele também. 
- Vou comprar algo para comer! - Disse me afastando antes que alguém pudesse me impedir. 
- Aqueles dois estão exagerando. 
A voz de Phillip atrás de mim me fez dar um pulo, tal como seu hálito quente a alguns centímetros no meu ouvido. 
- Você acha? Estava quase dando um tiro em mim mesma. 
- Nem me fale! 
Silencio. Pessoas. Minutos. 
- Isso é tão estranho! Nós terminamos não podemos ficar aqui conversando ou termos amigos em comum, isso atrapalha. - Falei. 
Ele deu um meio sorriso e continuou em silencio. 
- Você não falar, também, não ajuda! - Continuei. 
- O que quer que eu diga ? 
Bufei e comecei a andar mais rápido me afastando das pessoas e torcendo para ele sumir no ar. 
- Não me culpe! Foi você que recusou meu pedido de casamento! - Disse ele, quase que jogando na minha cara. 
- Então, foi isso ? Deveria  ter dito ao invés de desaparecer e ficar com outras por aí. 
- E o que mudaria? 
- Tudo! E existe, realmente, outras ? 
- Eu terminei antes! 
- Então, não encha meu saco mais, seu imbecil. 
- Talvez, eu seja mesmo um imbecil por querer me casar com uma criança! - Disse ele me encarando com raiva. 
- Não irei trocar a faculdade para me casar! Posso te amar, mas sei que ás coisas não caem do céu e tenho que ser realista. Sempre achei que mesmo que isso não acontecesse depois tudo daria certo. 
- Nunca pedi que abandonasse a faculdade!  
- Mas, também, me recuso a depender de alguém e você sabe disso. Com meus pais é diferente, eu amo você, mas sei que não posso fazer isso. - Falei com os olhos cheios de lágrimas. 
Me odiei naquele instante por estar, literalmente, gritando todas as minhas expectativas e frustrações. 
- Não precisamos casar agora! Nunca disse  quando seria eu só fiz o espetáculo do ano para você dizer não! - Falou ele. 
Fui tão idiota assim ? 
- Desculpe, eu não...- Comecei. 
- Pois é! - Ele começou a andar de volta para o parque. 
Respirei fundo, tentando controlar as lágrimas e percebendo o que eu havia feito. O culpara pelo termino, mas não percebera que fora aquele não que o fazia ter raiva de mim. 
Comecei a andar na direção dele, quase que correndo. O chamei, mas ele não virou para atrás em nenhum momento. Mas, continuei a tentar alcançá-lo, quando consegui ele não parou continuou a andar, enquanto eu segurava seu braço. 
Phillip, por favor, me escute! - Falei. 
- Que droga Fernanda! - Disse ele parando e me encarando. 
- Eu sinto muito, mas eu não quero viver sem você. Eu não posso. 
Ele fechou os olhos e os abriu me encarando tão profundamente que tive vontade de voltar a chorar. Me abraçou de uma maneira que quase me fez desabar. 
- Também não posso viver sem você! 
Olhar profundo. Beijo épico e nosso quase felizes para sempre que ainda teria muito para suportar, mas nada que não fossemos capazes de aguentar. 

Obs¹: Esse fora o quase drama mexicano que me deu vontade de escrever.
Blog Widget by LinkWithin
Comentários
17 Comentários

17 comentários:

  1. Olá,
    Que texto maravilhoso. Parece muito real.
    Parabéns, viu?!
    Que Philip e Nanda vivam felizes. *-*
    Beijos.

    http://www.leituradelua.com

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do texto. Quando se tem amor nunca é o fim hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Belo texto, você tem um dom com as palavras <3

    http://agarotasecreta14.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Uau! Adorei o texto, parabéns!
    Beeijos

    www.ataquedamodaa.com

    ResponderExcluir
  5. Pelo horário que estou lendo, fiquei meio que com preguiça de ler mas mesmo assim, nas linhas que li vi sua boa escrita! Parabens!

    | A Bela, não a Fera |
    | FB Page A Bela, não a Fera|

    ResponderExcluir
  6. Que texto lindo!
    Parabéns, adorei.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Aqui as respostas da tag: http://agarotasecreta14.blogspot.com.br/2015/07/tag-liebster-award.html?showComment=1436023755818#c3617459000545003256 Beijos :*

    ResponderExcluir
  8. Caraca, que texto é esse? Super lindo! Amei!

    http://newsdayoff.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi! Tudo bem, guria?

    Eita! Drama mexicano mesmo, hein? Pior é que lembrei de um carinha (o meu carinha, sabe) e as situações são singelamente parecidas e... porque o amor tem que ser tão complicado?

    Um beijo,
    Doce Sabor dos Livros - docesabordoslivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Não entendo porque os relacionamento tem que ser complicados.


    Big Beijos
    Lulu on the Sky

    ResponderExcluir
  11. Texto lindo, parabéns!

    http://gotasdecaffe.blogspot.com.br/
    https://www.facebook.com/GotasdeCafeblog
    Se der curte a Fanpage? xxx

    ResponderExcluir
  12. Oi, Ágatha! Tudo bem? Ahhhh adorei o texto, gosto muito do modo como você escreve. Os personagens foram muito bem construídos e o final de arrasar! AMEI! :)

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi
    Achei seu quase drama mexicano muito legal, embora eu tenha ficado meio confusa no início dele. Bem que poderia vir a continuação ;)
    Beijinhos

    Vidas em Preto e Branco 

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiee que bom que gostou ;p
      Serio? Vou dar uma revisada, acho que se tiver uma continuação. Será algo bem louco kkk
      Beijinhos Screepeer

      Excluir
  14. Agatha,

    Por favor, faça mais contos assim! Amei esse!!!

    Beijos,
    Andréia
    petitandy.com

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Screepeer - 2015. Todos os direitos reservados.
Design Por: Jordânia Queiroz.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo