domingo, 31 de maio de 2015

Medo do desconhecido



O que queremos no final do dia? Para o universo isso não importa, acredito que no final só não desejamos estar sozinhos na imensidão. Só desejamos não ser ou não nos tornar poeira na galáxia. Ás vezes é necessário colocar misticismo nas lacunas do universo, afinal é mais fácil e menos doloroso que ficar encarando os fantasmas na parede.
O acreditar, também, ajuda, supre aquilo que ás lágrimas não podem. Quando nos esquecemos que existe essa opção durante a dor nos encolhemos até ela passar, não que isso possa ajudar. É como beber, você pode até esquecer o que te faz mal, ter surtos de alegria, mas quando a dor voltar irá ser maior do que se pode suportar, no fim das contas, só vai prejudicando seu fígado.
Ainda se acredita que mesmo se que tudo dê errado, se os sonhos desabarem, se a escuridão nos chutar, se houver alguém para nos abraçar isso pode tudo transformar. Será? Não sei, afinal, infelizmente ninguém dura para sempre, sempre haverá o instante que necessitaremos ter certeza que podemos sobreviver sozinhos. Não obstante, sou da corrente de pensamento que prefere arriscar, mesmo que, não dê em nada dar a mão é uma opção boa demais para se deixar passar.
Nos faz esquecer o temor de estarmos sozinhos, mesmo que, por alguns instantes. No final do dia, com alguém lá ou não, aquele sentimento particular escondido em alguma caverna desiludida dentro de nós sai para nos abraçar.

No fim das contas o medo não está no começo, o medo não está no fim, o medo não está na morte, mas na solidão que pode haver depois de tudo isso. A ideia de estar perdido em uma imensidão sem ter pelo o que lutar ou viver, de não poder tocar ou se comunicar com qualquer outra pessoa, de não se quer pelo o reclamar ou chorar, apenas estar perdido sem poder ser visto ou ouvido. O medo está no desconhecido que pode vir depois que desaparecemos para o mundo.
Blog Widget by LinkWithin
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Screepeer - 2015. Todos os direitos reservados.
Design Por: Jordânia Queiroz.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo